segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Magoas-me ...

Magoas-me ...
E nem te apercebes
Nessas dúvidas que lamentas
Nas palavras que não dizes
E sentes ...

Nos dias que passam
E eu cada vez mais sinto ,
Meu coração desfeito

E na prisão de meu leito
Sinto o fundo do poço
Cada vez mais perto

Magoas-me ...
E nem te apercebes

Salomé.N.S.A

Faz tanto tempo que o mesmo escrevi.

1 comentário:

Joseph disse...

Salomé,
Olá.

Gostei muito da construção do poema em si...embora não seja um fervoroso admirador da poesia melacólica e triste.
Aceito-a porque traduz, normalmente, um estado de alma!

--------------

PARABÉNS pela passagem de mais um aniversário.
Já te tinha parabenizado no Face.

Beijinhos:))